PROSSEGUIR
Nós armazenamos algumas informações sobre navegação através de cookies para saber o que agrada e prover uma melhor experiência no nosso site para quem mais importa: Você! Ao continuar a usar nossos serviços, Você concorda com a Política de Privacidade e Cookies.

FIQUE ATUALIZADO COM O NOSSO BLOG

Modelo de Estrutura de Franchising
< Voltar

COMO DESENVOLVER UM CÉREBRO BILÍNGUE

Escritor: $row2['titulo']; ?>
Por: Julia Patrícia Grave em 20/11/2018 |   Inglês Bilíngue
Atualmente, ser bilíngue é uma necessidade. Não somente visando a comunicação em uma viagem ao exterior ou quando queremos conferir os “super-efeitos” especiais do último lançamento da Marvel nos cinemas sem se preocupar com as legendas. Acima de tudo, saber um segundo idioma é uma exigência moderna. O mercado de trabalho busca colaboradores que tenham fluência em, pelo menos, dois idiomas e as leituras acadêmicas são quase exclusivamente em inglês. Isso tudo sem contar as tecnologias em rede.
Entretanto, ser bilíngue não deveria ser considerado uma necessidade e sim um processo natural na sociedade globalizada. Sobretudo, ser bilíngue não facilita a comunicação e não garante um melhor posto de trabalho somente. Ser bilíngue melhora nossa saúde. Está comprovado cientificamente que um cérebro bilíngue possui maior atividade de massa cinzenta – refletindo em mais neurônios e sinapses. Quem fala dois idiomas também possui maior atividade em áreas do cérebro que são responsáveis por pensamento flexível e criativo, sobretudo na tomada de decisão. E, além disso, falar duas línguas retarda o desenvolvimento de doenças como Alzheimer e demência.
Desenvolver um cérebro bilíngue não é tarefa fácil, correto? Errado! Apesar de muitos considerarem o aprendizado de uma língua estrangeira um processo estressante e exaustivo, aprender um novo idioma e atingir a fluência deve ser uma tarefa simples para o ser humano, acima de tudo prazerosa. Assim sendo, listo aqui  algumas indicações para o desenvolvimento de um cérebro bilíngue:

Adultos são tão (ou mais) capazes quanto crianças: abandone o mito de que crianças tem mais facilidade de aprender e desenvolver outro idioma. É fato que como bilíngues compostos as crianças ouvem os sons e os filtram com maior fluidez, entretanto os adultos já aprenderam a aprender, entendem com maior clareza a importância do aprendizado, são mais focados no conteúdo e, sobretudo, utilizarão um segundo idioma de uma maneira muito mais consciente.


Não se cobre tanto: o grande problema dos adultos é a aversão ao erro. Errar é parte do processo de aprendizagem, contudo estes erros significam que barreiras foram cruzadas. O cérebro humano carrega muitas informações, mas não todas. Existem muitos sons nunca ouvidos e fonemas nunca pronunciados, errar é preciso para atingir a perfeição. Permitir-se errar é o primeiro passo para alcançar a fluência.

Esqueça o que está escrito (pelo menos a princípio): para aprender a falar uma língua estrangeira o foco deve ser o som. Os “7 Method Steps” da Athus tem essa essência, aperfeiçoar a pronúncia antes da escrita, já que a fonética das línguas é diferente. Então, se preciso, escreva o som que as palavras em inglês produzem com a fonética da língua portuguesa até que a pronúncia correta seja atingida.

Encontre um guru: conversar e tirar as dúvidas com alguém que domine a língua é a melhor maneira de desenvolver uma pronúncia perfeita. Fale com seu professor, com um colega ou um amigo, não tenha medo de errar e fale o máximo possível no idioma que você está estudando.

Shower conversations: fale em outro idioma sozinho. Enquanto você toma banho, cozinha, limpa a casa ou assiste um filme, converse sozinho no idioma estrangeiro que você está estudando. Traga este idioma para sua vida.

“Joey doesn’t share food!”: existem muitas plataformas online que transmitem filmes e séries. Assista estas produções (legendadas) e repita com seu personagem favorito as suas falas. Além de melhorar a pronúncia ao repetir com um falante nativo, é possível ampliar o vocabulário ao reproduzir estas falas.

Live abroad: se um intercâmbio ainda não é uma opção, traga a língua para a sua casa. Mudar o idioma do celular, não assistir filmes dublados, identificar os cômodos da casa e seus objetos na língua estrangeira pode ser uma boa maneira de criar um ambiente bilíngue.

Finalmente, ser bilíngue não gera confusão. Ao contrário, misturar as línguas só mostra que o falante domina dois idiomas em um mesmo grau de fluidez. E como visto anteriormente, viajar, trabalhar e até mesmo ser saudável serão as consequências deste desenvolvimento.
QUERO ESTUDAR ON-LINE
QUERO SER UM FRANQUEADO
QUERO ESTUDAR EM UMA UNIDADE ATHUS
< Voltar
Ligue Grátis para nossa
Central de Franquias através do
número 0800 600 1011