PROSSEGUIR
Nós armazenamos algumas informações sobre navegação através de cookies para saber o que agrada e prover uma melhor experiência no nosso site para quem mais importa: Você! Ao continuar a usar nossos serviços, Você concorda com a Política de Privacidade e Cookies.

FIQUE ATUALIZADO COM O NOSSO BLOG

Modelo de Estrutura de Franchising
< Voltar

SONS PARA APRENDIZAGEM

Escritor: $row2['titulo']; ?>
Por: Maria Aparecida Costa Bulla em 15/02/2019 |   Inglês Método
As músicas fixam-se em nossas mentes e tornam-se parte de nós, pois elas educam nossos ouvidos incentivando-nos a escutar, repetir e até cantá-las.

Música é uma linguagem universal, usada para a comunicação, inspiração, educação, entretenimento, etc. Às vezes ouvimos uma música uma única vez no dia e ela fica o dia todo na nossa mente. As propagandas, por exemplo, têm usado técnicas musicais por anos. Os jingles são criados especificamente para nos lembrar de seus produtos. Quem não se lembra da propaganda do MC Donald’s: “dois hamburgers, alface, queijo, molho especial, cebola e picles num pão com gergelim”? Aprender com música é muito efetivo, pois estimula a função cognitiva, o corpo, emoção e audição.

Os educandos aprendem mais rápido com músicas, que se tornam memoráveis, pois estas ajudam a lembrar da linguagem facilmente, independente do foco do professor: gramática ou vocabulário. Utilizando música, o professor pode começar a aula para apresentar um tema novo, terminar outro, ou simplesmente utilizá-la no meio de um projeto para enfatizar o assunto.

O objetivo do Ensino de Língua Estrangeira sob o ponto de vista da Sociolinguística é levar o aprendiz a usar a língua para fins comunicativos. A fala torna-se tão significante quanto à escrita. A língua deve ser vista como discurso para construção de significados.
 
Um dos objetivos do uso de música para o ensino de língua inglesa, é que o aluno use o que está aprendendo em situações significativas e relevantes. Esta meta pode ser naturalmente alcançada com o uso da música na sala de aula. Através de atividades com música é possível propiciar a percepção dos alunos como integrantes da sociedade e agentes do mundo na medida em que ele é estimulado a analisar criticamente o conteúdo das canções, tanto no seu aspecto lingüístico como de interpretação e reflexão. Sendo assim, estas práticas crítico-educativas podem vir a estabelecer relações pertinentes entre as semelhanças e diferenças da cultura do aluno e a da língua inglesa.

De acordo com LIMA, o uso de canções no ensino de inglês possui diferentes alvos. Além dos aspectos lingüísticos como aquisição de vocabulário, compreensão da gramática e expressão oral e escrita, entre outros, podem ser propostos alguns de natureza cultural. As canções como forma de expressão cultural, veiculam valores estéticos, ideológicos, morais, religiosos, etc. Elas possuem, em seus conteúdos, as marcas do tempo e lugar da sua criação. Ao mesmo tempo, representam um fator cultural importante por expressar a história, o folclore e o idioma de um país/povo, e ainda permite ao professor abordar as quatro habilidades da língua (compreensão, leitura, escrita e fala). É rica em vocabulário, oferece exemplos autênticos de coloquialismo e uma vasta fonte de dados lingüístico contemporâneo. Além do aspecto lingüístico e cultural no trabalho com música em ensino de língua inglesa, deve-se levar em conta o aspecto emocional do aprendiz. Dommel & Sacker (1986) / apud Rosin, dizem que o uso da música é capaz, como nenhum outro meio, de fazer com que o aluno desenvolva dentro de sala de aula a sua sensibilidade, suas experiências e habilidades criativas.
RIDDIFORD (1999) afirma que: “A música promove um ambiente relaxado, lúdico com baixo stress que é muito propício para a aprendizagem do idioma, pois minimiza o impacto dos efeitos psicológicos que bloqueiam a aprendizagem”.

A música motiva as pessoas a aprender e proporciona um elo entre a linguagem da escola e a do mundo. GOLD (1985) ao referir-se às músicas afirma que elas “são um veículo para aprender língua inconscientemente”. Para ele, é uma excelente fonte didática porque, além de ser utilizada como terapia psíquica para o desenvolvimento cognitivo, é também uma forma de transmitir idéias e informações fazendo parte da comunicação social, trazendo á tona a vivacidade da língua, por isso aqui na Athus sempre trabalhamos com músicas para dinamização de conteúdos, tornando-os mais significativos e facilitando a apropriação da aprendizagem. A aprendizagem significativa coloca o professor como colaborador do método de ensino, capaz de fazer o aluno responsável pela sua própria aprendizagem.

 Desta forma as atividades musicais podem promover um ambiente onde o aluno se expressa de maneira espontânea e expõe seus conhecimentos sobre a língua. A música pode ser empregada na sala de aula como meio facilitador tanto para a introdução dos aspectos culturais quanto para o aprendizado dos aspectos linguísticos da língua inglesa. Com a música é possível despertar e desenvolver em nossos alunos sensibilidades mais aguçadas, as quais podem facilitar a assimilação dos conteúdos. MURPHEY (1992) cita a facilidade de obter-se material musical aliada à motivação que as músicas proporcionam aos alunos como algumas das vantagens de sua utilização em aulas de língua estrangeira.

Por razões variadas, as músicas fixam-se em nossas mentes e tornam-se parte de nós, pois ela educa nosso ouvido incentivando-nos a escutar, repetir e até cantá-las.
Para o autor MURPHEY, música não é realmente uma das categorias convencionais de estudo da língua (gramática, vocabulário, composição, leitura, compreensão oral, conversação, etc.). Mas pode ser conteúdo de qualquer destas categorias e nós podemos focá-la em qualquer ou em muitas destas áreas quando usamos canções. Ela está em todos os lugares e nas aulas de Línguas, é capaz de enriquecê-las com informações, reações e sentimentos dos alunos.

É necessário entender que língua e cultura devem caminhar juntas na aprendizagem. Assim, a percepção do papel desempenhado pela língua como produto cultural é fundamental para a compreensão do inglês. Isto porque a noção de textualidade somente se concretiza pela formação de significados construídos a partir dos aspectos culturais.
 
 Dicas de sites com atividades de música na aprendizagem de língua Inglesa:
www.letslets.com    
www.supersimplesongs.com                  
 

REFERENCIAS
Erica Pereira,  O Ensino da Língua Inglesa com música - Música, linguagem universal
Jacinta de Fátima Santos e Ivete Pauluk – Proposições  para o ensino de língua estrangeira por meio de músicas.
 
Rosin A. F.e Tinoco B. C. B. O uso da música no Ensino de Língua
Estrangeira. Disponível em:
[www.apario.com.br/index/boletim38/IIIunterrichtspraxis1MusikimDeutsc
hunterricht.pdf ]
 
LIMA,L.R. -  O uso de canções no Ensino de Inglês como Língua
Estrangeira: A Questão Cultural,s/d.
 
MURPHEY,T. Music & Song. Oxford: Oxford University Press, 1990
 
NICHOLLS, S. M. Perspectivas históricas do ensino de línguas
estrangeiras: as diferentes abordagens. In: Aspectos pedagógicos e
metodológicos do ensino de inglês. Maceió: UFAL, 2001.
 
 
Paraná/SEED. Diretrizes Curriculares para a Educação Básica: Língua
Estrangeira Moderna. Curitiba: SEED, 2008.
QUERO ESTUDAR ON-LINE
QUERO SER UM FRANQUEADO
QUERO ESTUDAR EM UMA UNIDADE ATHUS
< Voltar
Ligue Grátis para nossa
Central de Franquias através do
número 0800 600 1011